Rituais da sorte à mesa

A virada do ano é sempre envolta em simbolismos e a mesa não fica de fora. A própria palavra Réveillon deriva do verbo francês réveiller, que significa revelar, despertar, acordar. É o fechamento de um ciclo.
“As comidas carregam a simbologia da fartura”, diz a coordenadora do curso de Gastronomia da Unimonte, Fátima Duarte.
Os grãos, por exemplo, remetem à multiplicação. Arroz, lentilha, feijão, milho simbolizam a fertilidade. No Brasil, como temos influência árabe direta e indireta (por meio dos portugueses), a lentilha é o ingrediente mais usado para este propósito.
O peixe também é um clássico na ceia de Ano-Novo. Em diversas culturas ele faz alusão à partilha e purificação por conta do seu hábitat, a água. Eles são férteis e quase nunca andam sozinhos.
O bacalhau, em razão da herança lusa, é o peixe mais consumido. Mas nos últimos anos o salmão tem ganhado espaço nas ceias de Réveillon.
A carne de porco é outro alimento muito consumido na virada. Eles são considerados fortes e fuçam para frente, o que, na crença, faz a vida progredir.
As uvas e romãs são as frutas mais apreciadas. Como têm muitas sementes e são nobres para várias culturas, são consideradas poderosos imãs de boa sorte.
É claro que não há nada de científico em todas essas crenças, mas já que todos esses ingredientes podem resultar em pratos deliciosos, vamos nos render a eles e incluí-los na contagem regressiva para 2019.
————-
Significados
Réveillon – deriva do verbo francês réveiller, que significa revelar, despertar, acordar.
Champanhe ou espumantes– À meia-noite, faça um brinde à entrada do novo ano em grande estilo, com espumante em taças de cristal. Preparado à base de uvas, traz prosperidade para o ano que está se iniciando. Para quem passar a virada na praia, também não custa pular sete ondas com a taça na mão.

 

Romã – símbolo da abundância, ajuda também na fertilidade. Repletas de sementes ou nascidas em cachos, elas trazem a ideia de multiplicação e fartura. São muitos os rituais, mas um dos mais utilizados é chupar três sementes de romã pedindo dinheiro para o ano todo e depois guardá-las na carteira, envolvidas em papel branco.
Uvas – tradição da prosperidade, diz a tradição que deve-se comer doze uvas, uma para cada mês do ano. Se a uva for doce o mês do ano será próspero e se for azeda nem tanto, ao comer cada uva, faça um pedido do que você deseja para aquele mês. É a fruta que dá o vinho de Baco, o deus mitológico dos excessos, da fartura e das festividades.

 

Peixes – eles simbolizam a purificação por meio de seu habitat, a água. Além de serem férteis e se reproduzirem graças a uma infinidade de ovas, os peixes quase nunca nadam sozinhos.

Frutas secas e castanhas – desde a antiguidade, estão associadas à fartura e à sorte por serem alimentos resistentes, possíveis de serem armazenados durante muitos dias. Os doces à base de castanhas tem ainda a simbologia de um ano doce.

 

Lentilhas e grãos – remetem à quantidade e multiplicidade. Uns dizem que a lentilha por ter a forma arredondada e achatada, lembrando uma moeda, atrai dinheiro. Outros afirmam que sua popularidade se deve ao fato de que é um grão que dobra de tamanho ao ser cozido e por isso traz fartura.

 

Louro – é símbolo de sucesso e vitória. Ser laureado significa ser reconhecido. Os atletas gregos, que venciam as provas recebiam uma coroa de louros como prêmio. Além disso, são folhas de uma árvore resistente e que dá frutos em bagas volumosas. As folhas devem ser trocadas entre as pessoas à meia-noite e guardadas na carteira. É promessa de sucesso e fartura ao longo do ano.