Comida raiz, para esquentar

Cozido de mandioquinha do Buteco do Chef fotos: Alexsander Ferraz

A batata é um dos alimentos mais versáteis do reino vegetal. E, afinal, quem não ama batata? É um caso de amor que vem de longe. Porém, precisamos variar os tubérculos na alimentação. Incluir outros que podem oferecer mais benefícios ao organismo.
A nutricionista Nathalia Guedes destaca que devemos variar, “pois cada alimento tem sua característica apesar de todas serem carboidratos cada uma tem suas vitaminas,minerais portanto tem funções diferenciadas.”
Os tubéculos são plantas que possuem raízes grossas, que são consumidas o inhame, a mandioca e a mandioquinha, muito comuns no Brasil. Eles possuem grande quantidade de amido, fonte de energia para o organismo.
A mandioquinha, adocicada naturalmente, é uma típica da América do Sul. O seu centro de origem é a região andina da Colômbia, Venezuela, Equador, Peru e Bolívia, onde até hoje faz parte da cultura local, sendo cultivada e consumida pelas comunidades.
Mandioca, aipi, aipim, castelinha, uaipi, macaxeira, mandioca-doce, mandioca-mansa, maniva. São vários os nomes para esta que é um símbolo do Brasil. Trata-se de um arbusto que teria tido sua origem mais remota no oeste brasileiro (sudoeste da Amazônia) e que já é consumido pelos primeiros povos do Brasil há 5 mil anos.
O inhame anda na moda por conta do seu baixo índice glicêmico — o que é indicado para dietas de emagrecimento. A sua origem não é muito certa, mas seu nome vem do africano. Ele é muito confundido com o cará, isso desde os tempos de Pero Vaz de Caminha, que conhecia a planta africana e achou que o cará nativo do Brasil era a mesma coisa. Ele tem uma polpa branca bem pegajosa, ótima para espessar bolos, broas, caldos etc.
Diz-se ainda que quando consumimos muito inhame o corpo exala um aroma que espanta mosquitos, como o da dengue. Isso porque é riquíssimo em vitamina B, digamos indigesta para os insetos. Mas, infelizmente a quantidade deveria ser enorme para ter eficácia. No entanto, ele tem inúmeros outros benefícios.
Aqui, damos duas receitas bacanas para você usar esses tubérculos. Um cozido da chef Salete Lui, do Boteco do Chef, que pode levar os tubérculos desejados e ainda uma clássica vaca atolada, que o chef Eduardo Lascane, do Elo Gastronomia adaptou para ser mais prático de fazer em casa.
Além disso, a nutricionista Nathália Guedes explica no quadro ao lado os benefícios de cada um.
Serviço: Boteco do Chef (Rua Messia Assu, 283, São Vicente); Elo Gastronomia (Rua Goiás, 116, Gonzaga, Santos); nutricionista Nathália Guedes (Nathy.nahas@yahoo.com.br)
————————————————————————–

Saiba Mais

Inhame: ótima fonte de carboidrato, rico em fibras, aumentando pouco a taxa de açúcar no sangue sendo bastante indicado para diabéticos. Tem boas quantidades de vitamina C e vitaminas do complexo B (como B1, B3, B5, B6 e B9). Essas vitaminas são importantes para o funcionamento do organismo e também para ação do sistema imunológico. Apesar de ter um teor baixo de gorduras, o inhame é rico em ácidos graxos mono-insaturados, que são importantes para redução do colesterol LDL.
Mandioca: rica em vitamina C, cálcio, carboidratos, excelente fonte de fibra que também é bem indicado para pacientes diabéticos. Fontes de vitaminas do complexo B, tais como folatos, piridoxina, tiamina, riboflavina e ácido pantotênico, que são importantes para produzir hormônios do metabolismo e mantê-lo normal.
Mandioquinha: é fonte de energia, rica em carboidratos  complexos, cálcio, fósforo, potássio e vitamina C. É um ótimo alimento para repor as energias e substituir algumas fontes de carboidrato simples da nossa alimentação. A combinação cálcio, fósforo e potássio contribui para a saúde dos ossos, equilíbrio hídrico (pressão arterial) e ajuda na recuperação muscular após atividade física intensa, entre outros benefícios. Já a vitamina C aumenta a absorção de ferro pelo organismo e tem ação antioxidante, importante para a manutenção da saúde e de um sistema imunológico forte.


RECEITAS

Vaca Atolada
Ingredientes: 1,5 kg de costela bovina; 1 kg de mandioca descascada; 2 cebolas picadas; 6 dentes de alho picados; 2 tomates picados sem sementes; 1 pimenta dedo de moça picada sem sementes; 1/2 maço de cheiro verde picado; 2 folhas de louro; 1 colher de chá de cúrcuma; 1 dose de cachaça; 2 litros de água; 1 colher de sopa de azeite; sal e pimenta-do-reino a gosto
Preparo: coloque o azeite em uma panela de pressão no fogo alto (destampada) para aquecer. Tempere as costelas com sal e pimenta do reino e coloque-as na panela para dourar um lado sem mexer. Enquanto isso, corte metade da mandioca em pedaços pequenos e a outra metade em pedaços maiores e reserve. Adicione a cebola, o alho e a pimenta dedo de moça na panela e mexa junto com a carne até dourar. Adicione os tomates e continue mexendo. Coloque a cachaça e mexa bem para tirar o queimadinho do fundo da panela. Adicione a mandioca na panela com a cúrcuma, as folhas de louro e a água e mexa adicionando mais um pouco de sal. Tampe a panela e mantenha o fogo alto até pegar pressão. Diminua o fogo para médio-baixo e espere 45 min e após desligue o fogo e aguarde a panela liberar a pressão sem intervir.
Abra a panela e verifique se a carne e os pedaços maiores da mandioca estão macios (caso necessário adicione mais líquido e volte ao fogo), retire as folhas de louro. Amasse as mandiocas menores e mexa para que deem textura de creme a preparação. Sirva bem quente em cumbucas, finalizando com o cheiro verde por cima.
Rendimento 6 porções

Cozido à moda Buteco do Chef
Ingredientes: 300g de miolo de alcatra cortado em cubos de 3centímetros; sal a gosto; 2 dentes de alho picados; 100ml de vinho tinto seco; 2 folhas de louro; 100g de bacon em cubos pequenos; 3 tomates maduros cortados em cubos; 1 cebola pequena cortada à Juliene; 100g de cenoura baby; 100g de ervilha-torta; 100g de mini milho; 100g de mandioquinha em rodelas de 2cm; 80g de mandioquinha cozida e amassada; 1 talo de salsão pequeno; 1 pimenta dedo-de-moça sem sementes cortadas em tiras finas; azeite; sal que baste.
Preparo: em uma panela de fundo grosso, doure o bacon com azeite. Acrescente o alcatra e deixe dourar bem. Refogue a cebola, os tomates, o salsão acrescente o marinado de vinho que temperou a carne, mexa para deglaçar todo o sabor que estava grudado na panela. Acrescente aos poucos água quente para o cozimento da carne junte o louro e a pimenta dedo de moça e mexa de vez em quando colocando água sempre que necessário. Quando a carne estiver quase no ponto macio acrescente os legumes e deixe cozinhar até que a mandioquinha esteja cozida e coloque as ervilhas tortas (atenção para não cozinhar muito a ervilha). Deixe com caldo o suficiente para engrossar com a mandioquinha amassada. Verifique o sal. Salpique cebolinhas e sirva com arroz branco.