Resenha – The Decaying Light – Disentomb

Nem só de AC/DC e Men At Work vivem os australianos, já que o país tem se mostrado um ótimo fabricante de podreiras de qualidade, se aproximando de mecas do metal extremo como Estados Unidos e Suécia. O quarteto Disentomb, de Brisbane, é mais um nome a se juntar à tropa.

Formado em 2009, o grupo lançou The Decaying Light, o terceiro álbum de estúdio, que prima por um som implacável e odioso.

Tendo como influências bandas como Mortician, Malignancy, Devourment e congêneres, o Disentomb não é indicado para quem não abre mão da melodia. De fato, quase não há melodia ao longos das 13 faixas.

Porém, abundam guturais insanos, velocidade anormal, riffs de aço, clima de pesadelo, tudo aliado à técnica invejável do quarteto. Sim, por trás da massa sonora há dois estupendos guitarristas, linhas de baixo violentas e criativas, e um baterista incansável, como exige o brutal death metal. E, detalhe, o grupo soa moderno, mas sem invencionices. É porrada na cara o tempo todo, sem nenhum tipo de frescura.

Isso posto, faixas como Collapsing Skies, Undying Dysphoria, Centuries of Deluge e Indecipherable Sermons of God são autênticos desafios para o ouvinte testar seus limites de extremismo. Pronto para o desafio? Ouça The Decaying Light no volume máximo. E dá-lhe Austrália!

The Decaying Light
Ano de Lançamento
: 2019
Gravadora: Unique Leader Records

Faixas:
1-Collapsing Skies
2-Your Prayers Echo Into Nothingness
3-Indecipherable Sermons of Gloom
4-Undying Dysphoria
5-Centuries of Deluge
6-The Dcaying Light
7-The Great Abandonment
8-Dedged Into Existence
9-Droning Monoliths
10-Dismal Liturges
11-Invocation In The Cathedral of Dust
12-Rebirth Into Excoriation
13-Withering

Comentários

Comentários