Resenha – Saint Vitus – Saint Vitus

Durante os anos 1980, os americanos do Saint Vitus surgiram praticando um estranho doom metal, remando contra a maré em uma era em que predominavam sons velozes e guitarristas que mais pareciam tocar com uma moto serra.

Quase 40 anos depois, o grupo lança em 2019 seu novo álbum, auto-intitulado, sem apresentar mudanças em seu estilo. Sim, o som da banda continua o mesmo, doom metal pesado, lento e denso como um lamaçal prestes a roubar e enterrar nossos sonhos.

Sendo a guitarra de Dave Chandler o fio condutor da música do Saint Vitus, você pode esperar por riffs torturantes, como na faixa de abertura, Remains, uma placa com 200kg de peso.

O andamento hipnótico e à lá Black Sabbath surge com força nas imundas Bloodshed e 12 Years in The Tomb, que chegam a assustar devido a seus graus de densidade. Mesmo com o freio de mão puxado, o Saint Vitus mostra que pode ser tão extremo quanto qualquer outra formação. E o Rei Iommi aprova.

Além da guitarra de Chandler, a cozinha precisa e os fantasmagóricos vocais de Scott Reagers são outro destaques desse álbum, atingindo seu ápice em Last Breath, uma faixa que resume, em seus seis minutos de duração, toda a alma enlameada do Saint Vitus, através de sua marcha cadenciada e obscura.

Fechando o álbum, temos Useless, uma espécie de HC com 1:30 de duração que destoa do restante do material devido à sua velocidade.Sombrio e niilista, Saint Vitus é um álbum que você precisa ouvir.

Saint Vitus
Ano de Lançamento
: 2019
Gravadora: Seasons of Mist

Faixas:
1-Remains
2-A Prelute to..
3-Bloodshed
4-12 Years in The Tomb
5-Wormhole
6-Hour Glass
7-City Park
8-Last Breath
9-Useless

Comentários

Comentários