O supertime que o Suicidal Tendencies trouxe a Santos em 2012

Crédito: Isabela Carrari

O Suicidal Tendencies é uma banda que carrega na sua história o fato de ter ajudado a criar um estilo musical, o skate punk. E depois fez um crossover disso, juntando ainda o hardcore e o thrash metal. Tudo isso com uma influência do lifestyle das comunidades latinas de Venice Beach, na Califórnia.

O vocal e líder Mike Muir sempre escolheu de forma certeira os músicos que o acompanharam esses anos todos com a banda, sempre excelentes. Que o diga Robert Trujilo, que já fez parte do Suicidal e hoje é baixista do Metallica.

Em 2012, eles vieram para o Brasil para se apresentar na Virada Cultural de São Paulo. Aproveitando que estariam por aqui, acabaram fechando mais alguns shows em outras cidades brasileiras. O pessoal da marca Sick Mind, de São Paulo, teve o interesse de trazer o ST para Santos.

Então me procuraram para fazer a ponte e produção em Santos. Claro que fiquei muito feliz de poder ajudar a trazer uma banda desse porte e com essa bagagem para a cidade.

O local escolhido foi a casa de shows Tribal, na Rua Júlio de Mesquita, onde já tinha produzido shows do Agent Orange, Garage Fuzz, NX Zero, Hateen, entre outros. Era um local para umas 700 pessoas, muito bom para esse estilo de evento.

Começando a produção, uma coisa que marcou no início era Eric Moore. Ele é um super baterista, e por isso também precisava de uma super bateria. Era uma que tinha configuração e montagem que nunca tinha visto até então. Bateria e ferragens bem específicas. Era difícil de encontrar essa bateria para alugar, até que o próprio Eric indicou uma firma de locação de equipamentos em São Paulo que tinha a bateria que ele queria e o pessoal da Sick Mind prontamente providenciou.

Mike Muir com dores

Chegando no dia do show, eu já vinha acompanhando o decorrer das datas que eles vinham cumprindo no Brasil, antes do show de Santos. Quando chegaram aqui, fui informado que Mike Muir, que parece ter problemas na coluna, estava sentindo fortes dores.

A situação deixou todos do staff bem preocupados. Ele precisava fazer uma fisioterapia intensa durante a tarde inteira, para ver se teria condições de cumprir o show. Assim ficamos todos na expectativa e na torcida que ele se recuperasse. Enquanto isso, continuamos a produção do dia.

A bateria monstro de Eric Moore

À tarde, o único que foi passar o som e montar a bateria foi o monstro Eric Moore. Chegou alegre, um cara divertido que brincava com todo mundo e ficou à vontade com a gente.

Ele começou a montar a bateria junto com o roadie do evento. Ia montando e explicando para o nosso roadie, contando piadas e dando aulas sobre o que ele estava fazendo. Até a hora que bateria estava toda montada, e, de repente, ele começou a tocar monstruosamente bem. O cara é impressionante, essa é a palavra. O trabalho de ir atrás de um equipamento para um evento, nunca valeu tanto a pena. Estávamos todos ali participando de uma aula.

Stephen Lee Bruner, o super baixista

Inclusive, como em toda a história do Suicidal Tendencies, a cozinha daquele período da banda era muito acima da média. O baixista naquela ocasião era o Stephen Lee Bruner, mais conhecido por Thundercat. Era outro fora de série. Os dois juntos formavam uma cozinha das galáxias. Mas, ainda estávamos bem preocupados com a situação do Mike Muir, que continuava na fisioterapia.

Na hora do show, a casa abriu com atraso, devido ao problema com Mike, que seguia na fisioterapia. Quando o pessoal do ST chegou, sem ele, e foi direto para o camarim, a gente ficou numa expectativa e ansiedade enorme sobre a situação dele.

A casa estava cheia, o pessoal aguardando, quando de repente vejo a figura do Mike Muir, com seu estilo marcante, de bandana por cima dos olhos, no estilo Venice Beach que influenciou tantas pessoas pelo mundo afora, subindo a escada lateral da Tribal, indo em direção ao camarim.

O “cara” estava lá! Em carne e osso! Fui ao camarim ver se estava tudo bem, vi que ele estava com uma cara boa e pronto para o show. Ele é muito profissional.

O show do Suicidal

O Suicidal Tendencies começou o show com a explosiva Bring me Down. De imediato, Mike entra no palco com uma performance matadora, um verdadeiro showman. Ele ia de um lado ao outro do palco o tempo todo. Mesmo sentindo dor, fez um show incrível para o público de Santos.

Não podemos deixar de citar o guitarrista e um dos fundadores da banda e desse estilo musical Mike Clark. O cara trouxe toda sua bagagem para o palco. Do outro lado o também exímio guitarrista Dean Pleasents, que também integra o Infectuous Groove.

Sim, o Suicidal Tendencies estava ali, próximo ao Centro de Santos, com um time incrível, trazendo toda sua bagagem e história no crossover. Nós agradecemos!

Comentários

Comentários