As 7 girl groups mais icônicas do mundo pop

girl groups

As girl groups foram um dos maiores fenômenos pop da indústria musical. Diferentemente das girl bands, as girl groups são grupos mais focados nos vocais que instrumentais, geralmente trabalhando boas harmonias entre suas cantoras.

Essa onda de grupos pop femininos veio do fim da década de 1950, mas floresceu fortemente nos anos 1960, após a chamada Invasão Britânica. Com isso, alguns grupos se destacaram na indústria musical.

Porém, com o passar das décadas, as girl groups perderam força. O k-pop resgatou algumas ideias provenientes do gênero, formando conjuntos como BLACKPINK e TWICE, mas sua estrutura é bem diferente.

Fifth Harmony e Little Mix, ambos formados em reality shows, tentaram resgatar a fórmula das girl groups. Entretanto, o sucesso alcançado por grupos anteriores fica eternizado no pódio de maiores girl groups do pop.

Confira nossa lista dos mais icônicos girl groups e conheça um pouco sobre suas histórias!

The Supremes (1959-1977)

As Supremes foram o primeiro girl group a conquistar força na cena global. Sozinhas, elas conquistaram 12 singles em primeiro lugar da Billboard Hot 100, rivalizando diretamente com os Beatles em popularidade.

Um dos maiores carros-chefe da Motown, as Supremes pavimentaram o caminho para o crescimento exponencial do soul e R&B entre o público. Foram o mais famoso grupo musical negro dos anos 1960, conhecidas inicialmente como as Primettes.

O grupo era formado por Florence Ballard, Diana Ross e Mary Wilson. Tiveram nove álbuns de estúdio, além de diversos compactos. Sem dúvidas, The Supremes foi o girl group mais importante da música, abrindo caminho para todas as artistas que vieram posteriormente.

Como estão hoje?

Florence tentou uma carreira solo em 1967, mas não conseguiu. A artista teve um trágico desfecho. Enfrentando alcoolismo, depressão e pobreza, a cantora faleceu aos 32 anos em 1976, vítima de uma parada cardíaca.

Diana foi a mais bem sucedida do trio, tornando-se um dos maiores símbolos do soul e R&B no mundo. Seu último lançamento foi Diana Ross Sings Songs From The Wiz, em 2015. É uma diva lendária, de legado valioso para a música pop.

Mary tornou-se embaixadora da cultura nos EUA em 2002, segundo indicação de Colin Powell, o Secretário de Estado da época. Também investiu em carreira solo, mas sempre resgatando seus anos dourados nas Supremes.

Bananarama (1979)

Formado como um trio, as inglesas do Bananarama foram a girl group de maior sucesso dos anos 1980. Flutuando entre o dance, pop e new wave, as cantoras criaram hits icônicos e formaram o grupo mais divertido possível.

Entre 1982 e 2009, o grupo teve 28 singles no top 50 da UK Singles Chart. Com isso, conquistaram um recorde no Guinness de maior número de entradas nas paradas por um grupo inteiramente feminino.

A girl group era formada pelas amigas Sara Dallin, Siobhan Fahey e Keren Woodward. Entretanto, Fahey deixou o grupo em 1988 para formar sua própria banda. Ela foi substituída por Jacquie O’Sullivan.

Sara e Keren continuaram como um duo, após a saída de Jacquie, em 1991. Continuam atuando como Bananarama, sempre engajadas em turnês e novos materiais. Já Siobhan Fahey formou a Shakespears Sister, que durou até 1996. Desde então, a cantora segue carreira solo.

TLC (1990)

TLC foi a segunda maior girl group do mundo, ficando atrás apenas das Spice Girls. Em sua formação original, contava com Tionne “T-Boz” Watkins, Lisa “Left Eye” Lopes e Rozonda “Chilli” Thomas. O grupo teve enorme sucesso na década, mas enfrentou diversas batalhas internas, especialmente legais. Porém, os inúmeros conflitos não tiram os méritos do grupo.

Com vendas mundiais que ultrapassaram 23 milhões de cópias, CrazySexyCool (1994) foi o auge do TLC. Tudo parecia bem, porém, o grupo declarou falência no ano seguinte. Pouco depois, embarcaram em rixas de difícil solução, que acabaram fazendo com que tomassem caminhos distintos.

Enquanto trabalhava na gravação de um documentário em Honduras, em abril de 2002, Lopes foi vítima de um trágico acidente de carro. Ela era a grande estrela do TLC. Ao invés de substituir a cantora, foi acordado entre as integrantes remanescentes que atuariam como um duo.

Desde então, T-Boz e Chilli seguem com a TLC. Já enfrentaram hiatos, um filme biográfico na televisão, várias homenagens e premiações da indústria. Anunciaram uma turnê de retorno em 2015, entretanto, lançaram seu quinto e último álbum de estúdio em 2017, o homônimo TLC.

Spice Girls (1994)

A girl group britânica é o maior ícone cultural pop da década de 1990 (quiçá, do século). As Spice Girls são o grupo feminino mais vendido de todos os tempos.

Possuem recordes de vendas internacionais, os maiores lucros em merchandising e várias simbologias que marcaram sua identidade. O sucesso foi tanto que as Spice tiveram filmes, programas televisivos e até musicais.

O fenômeno Spice World tomou o globo, comparado apenas à Beatlemania. O grupo anunciou seu retorno em 2018, para a alegria dos fãs que viveram ativamente o impacto cultural causado pelas Spice. Porém, as Spice Girls voltaram oficialmente como quarteto, sem Victoria Beckham.

O grupo consiste em Geri Halliwell, Emma Bunton, Melanie Brown, Melanie Chisholm e Victoria Beckham. As garotas ficaram mais conhecidas pelos seus personagens: Ginger, Baby, Scary, Sporty e Posh Spice.

Mesmo nos dias atuais, o grupo ainda repercute os anos dourados, reproduzindo seus maiores sucessos pelo mundo. Elas deram o primeiro indício de seu grande retorno em reunião no encerramento dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.

Destiny’s Child (1997-2006)

As integrantes do Destiny’s Child começaram sua carreira musical como Girl’s Tyme, mas ganharam o devido reconhecimento em 1997, já com o nome oficial. Inicialmente, eram um quarteto, mas sofreram variações em sua formação.

Sua melhor fase foi como trio, na formação final, que incluía Beyoncé Knowles, Kelly Rowland e Michelle Williams. Mesmo com sucesso crítico e comercial, o grupo enfrentou diversos conflitos internos e turbulências legais.

Destiny’s Child emplacou sucessos mundiais nos anos 2000, derivados de seu terceiro álbum, o icônico Survivor (2001). O grupo venceu diversos prêmios de R&B, vendendo mais de 66 milhões de discos no mundo, além de entrar para a trilha sonora de vários filmes, como As Panteras (2000).

Como estão hoje?

A Destiny’s Child enfrentou um hiato em 2002, mas se reuniu em 2004 para gravar seu último álbum de estúdio, Destiny Fulfilled. Após a separação, todas investiram em suas respectivas carreiras solo, com destaque para Beyoncé, que consolidou-se um dos maiores ícones pop desta geração.

Kelly tentou carreira na televisão, onde conseguiu papéis em diversos programas e realities. Em 2017, lançou seu primeiro livro, dedicado a mães de primeira viagem. A cantora especula um novo lançamento desde 2015, mas não há nada confirmado.

Michelle atuou no teatro e televisão, conquistando papéis importantes, como de Roxie Hart na peça Chicago, em 2009. A cantora também atua como jurada em realities musicais e programas televisivos.

O trio se reuniu em momentos esporádicos, incluindo em apresentação no intervalo do Super Bowl, em 2013, e na icônica performance de Beyoncé no Coachella, em 2018.

Sugababes (1998)

Com várias mudanças de formação e brigas internas, as Sugababes foram o centro das atenções nos tablóides britânicas por muito tempo. Mesmo entre idas e vindas, a girl group é uma das mais poderosas da onda britânica.

As Sugababes foram nomeadas o artista feminino de maior sucesso do século 21 pela British Hit Singles & Albums. São o segundo grupo com maior quantidade de singles em primeiro lugar, superadas apenas pelas Spice Girls.

Em julho de 2019, retornaram à formação original, com Keisha Buchanan, Mutya Buena e Siobhán Donaghy. O trio tem trabalhado em novas músicas, mas ainda não lançou inéditas.

The Pussycat Dolls (2003)

Formado em 1995 como uma trupe burlesca de Los Angeles, The Pussycat Dolls acabou tornando-se um conjunto musical de enorme sucesso em 2003.

O super girl group é formado por Nicole Scherzinger, Carmit Bachar, Ashley Roberts, Jessica Sutta, Melody Thornton e Kimberly Wyatt. Dançarinas e cantoras, as Dolls se tornaram uma marca de impacto no universo pop dos anos 2000.

O ápice da formação original se deu com seu álbum de estreia, PCD, lançado em 2006. No auge de sua carreira, as Dolls embarcaram em sua própria turnê mundial, contando com artistas como Rihanna na abertura de seus shows. Também marcaram presença na trilha de filmes, como Quem Quer Ser Um Milionário? (2009), que ganhou o Oscar de Melhor Canção Original.

A ênfase atribuída a Scherzinger criou um distanciamento com as outras membros, causando mudanças de formação e a consequente separação. Após um hiato de nove anos, as Dolls negociaram uma reunião de impacto.

Para tal, retomaram suas atividades em 2019, com um grande show na final do The X Factor, onde Scherzinger foi jurada. Além da performance, lançaram um novo single, React.

Comentários

Comentários