Os 100 mais influentes do cenário musical da Baixada Santista no século 21

Há três anos, o Blog n’ Roll ouviu dezenas de especialistas para chegar aos 100 maiores nomes do rock na Baixada Santista. Tal pesquisa incluiu nomes de várias fases, dos anos 1960 até artistas mais recentes.

Agora, o desafio é outro: mostrar quais são os 100 nomes mais influentes no século 21 (surgidas entre 2001 e 2019). Selecionamos 31 votantes, entre músicos, jornalistas, críticos de música, produtores e donos de estúdios para chegar à lista final.

Alguns pontos precisam ser esclarecidos. As bandas/artistas deveriam ter pelo menos um EP lançado, trabalho autoral e transitar em gêneros como rock e suas vertentes (indie, metal, hard rock, hardcore, punk, entre outras). Não era necessário estar em atividade ainda.

:::: No Spotify, a lista é outra. Confira! ::::

Atendendo aos pedidos, MPB e pop foram incluídos. O RAP e suas vertentes ficaram de fora, pois a ideia é lançarmos um especial somente com eles, em breve.

Dito isso, selecionamos pessoas que tivessem algum envolvimento forte com o cenário da região e reforçamos a importância da imparcialidade. 
Dentre os critérios, pedimos que elegessem os mais influentes, seja mainstream ou underground. Sem distinções.

Ficaram de fora da lista

Alguns nomes votados foram desconsiderados por não atender requisitos. Os exemplos mais conhecidos foram Aliados, Rygel, Dip Lik, Rajja e Cabong, Cajamanga e Same Flann Choice (início das atividades antecede a 2001), Conexão Baixada e Preta Rara (entrarão na lista do RAP).

Entre os que não atingiram pontuação suficiente surgem outros nomes conhecidos do público, como DiClock, Rockers, A Banca, Sinera e Big Nitrons. Essas foram citadas por apenas um votante.

Para aparecer no ranking, era necessário ser lembrada por pelo menos dois jurados.

Vale ressaltar também que bandas como Zimbra, Surra e Bayside Kings, as três primeiras dessa ranking, já tinham tido desempenho destacado na lista das 100 maiores da história da região. Bayside ficou na posição 23, Zimbra na 30 e o Surra em 31.

1. Zimbra

Citada por 24 dos 31 votantes, a Zimbra é quase uma unanimidade entre os jurados. Boa parte deles colocou a banda de Bola como número 1 ou 2 em suas listas.

Desde 2013, quando passou a se chamar Zimbra (era Panorama), a banda teve um crescimento impressionante. Faturou diversas estatuetas no Prêmio Rock Show, foi finalista de um concurso para tocar no Rock in Rio, se apresentou no Lollapalooza, na CCXP, excursionou por todo Brasil, entre outras coisas.

Recentemente, recebeu elogios da sertaneja Marília Mendonça, que chegou a cantar uma música da banda no Instagram. O último trabalho autoral foi o álbum Verniz, lançado em abril.

2. Surra

Em alguns momentos da votação, a Surra ocupou a primeira posição, alternando com frequência o lugar com a Zimbra. E essa popularidade não veio do nada. Surgida em 2012, a banda já iniciou a trajetória cheia de expectativas. O motivo? Reunia integrantes da Like A Texas Murder.

Em sete anos, o Surra conseguiu a proeza de ser a banda santista com a maior rodagem quilométrica da atualidade. Tocou em quase todos os estados brasileiros e fez duas turnês europeias.

Atualmente, lidera diversos festivais pelo Brasil. É um dos headliners do Garage Sounds. Anteriormente, ainda no início da carreira, o Blog n’ Roll colocou o Surra como uma das 100 bandas de hardcore que o público precisava conhecer da região.

3. Bayside Kings

Representante de peso do hardcore santista, a Bayside Kings também construiu uma linda história. Tal como as duas primeiras do ranking segue na ativa e viajando sem parar. Seu último trabalho foi Yin Yang, split com os brasilienses do Mais Que Palavras.

4. Zebra Zebra

Passou por uma grande transformação sonora quando deixou o nome Same Joke para trás e virou o Zebra Zebra. Chamou a atenção do público pelos clipes divertidos (muitos deles premiados em festivais de cinema), a inovação sonora, além de eventos marcantes, como os bailes de Carnaval.

5. Shadowside

Para alguns dos votantes rolou a dúvida se a banda estava dentro do prazo definido para a pesquisa (surgir de 2001 em diante). Sim, a Shadowside se inclui nessa relação. É um dos nomes mais empolgantes da história do metal regional.

Divide o tempo entre o Brasil e a Suécia, onde costuma gravar seus álbuns com os nomes mais badalados do metal mundial. Com quatro discos lançados até aqui, atualmente conta com Magnus Rosén (Hammerfall) no baixo.

6. Analisando Sara

Provavelmente, o nome mais surpreendente no top 10. Explica-se: é o único entre os dez primeiros que não está mais em atividade. Mesmo assim, recebeu uma votação expressiva. Enquanto esteve na ativa lançou discos elogiados, fez turnês pelo Brasil e inspirou uma nova safra de bandas.

7. Dani Vellocet

Cantora com um talento absurdo, Dani Vellocet marcou época à frente da Mecanika (também presente nessa lista). Atualmente em carreira solo, a santista tem feito bonito com shows pelo Brasil. Um de seus maiores parceiros é Rogério Flausino, do Jota Quest.

8. Blackjaw

A Blackjaw é sem dúvida alguma a melhor banda de hardcore melódico surgida na Baixada Santista de 2001 para cá. Seus registros não me deixam mentir. Passou por algumas momentos de instabilidade e ficou um tempo sem tocar. Atualmente, com outra formação, segue com uma história repleta de boas canções.

9. Bula

O Charlie Brown Jr inspirou muitas bandas da região. Além disso, seus integrantes montaram diversos projetos. A Bula, que tem Marcão na linha de frente e Pinguim na bateria, é a melhor delas. Quem acompanha o grupo vibra junto. Existe uma relação bem bacana com os fãs do CBJR.

10. Erodelia

A Erodelia é daquelas bandas com muitas histórias para contar em pouco tempo de estrada. Tocou no Rock in Rio (após vencer uma Batalha de Bandas), se destacou no Prêmio Rock Show, virou sanduíche em uma hamburgueria de Santos e gravou um videoclipe com o Zé do Caixão.

Do 11 ao 50

11. Vibehouse

12. Depois da Tempestade

13. Mecanika

14. Cabana Jack

15. The Scuba Divers

16. Tulipa Ruiz

17. Geo

18. Opus Tenebrae

19. Atlante

20. Maçã de Cesto

21. Superbrava

22. Sephion

23. Abomydogs

24. Live by the Fist

25. Mauro Hector

26. Medusa Trio

27. Like a Texas Murder

28. Moscotron

29. Tosco

30. Trevo

31. Heitor Vallim

32. Dr Kaveira

33. Zeppers

34. Bola (Zimbra)

35. Balara

36. Radiola Santa Rosa

37. O Cubo

38. Reinaldo Andrade (solo)

39. Hugin Munin

40. Revolucionários

41. 100 Ilusões

42. Music Box

43. Soulmate

44. Cavve

45. Cannon of Hate

46. A Sea of Leaves

47. Maldita Ambição

48. Jerseys

49. Filippe Dias

50. General Tequila

Do 51 ao 100

51. Charrua

52. Mundo Paralelo

53. Mad Mamba

54. Spit

55. Carla Mariani

56. Oldrust

57. Pinprick

58. Psychotic Misanthropy

59. Moscou

60. Two Old Men

61. Martin

62. Resurrector

63. Modernage

64. Usina

65. Parelio

66. Koala Joe

67. Maria Sil (Silvino)

68. Cidadão Blindado

69. Los Volks

70. On Pesticide

71. Mar Morto

72. Timeless

73. Vesúvio

74. Freeside

75. Mistanásia

76. TH6

77. Via Rock

78. Zerão

79. Flat Fun

80. Moments of Gore

81. Analog

82. Rising Sun

83. Vetor

84. Asco

85. Velho Jango

86. Banda Alva

87. Rub

88. Navy Blue

89. Surr

90. Morbhius

91. Bad Cookies

92. Caio Bosco

93. Amphères

94. Maguila

95. Gomes do 8

96. Anti-Corpos

97. Thirteen Brotherhood

98. Mad Haoles

99. Leonna

100. Bruno De La Rosa

VOTARAM: Jornalistas: Lucas Krempel, Wlad Cruz, Claudio Azevedo, Guilherme Zeinum, Matheus Krempel, Marcel Caldeira, Daniela Paulino e Marcio Bernardino. Artistas: Milton Aguiar (Bayside Kings), Ravi Fernandes (Blackjaw), Fabricio de Souza (Garage Fuzz), Claudio Cardoso (Two Old Men), Luiz Carlos Louzada (Vulcano), Gilberto Junior (VidaIncerta), Victor Birkett (Depois da Tempestade), Daniel Teles (The Scuba Divers), Rafael Costa (Zimbra), Pablo Mello (Los Volks), Kennedy Lui (Zebra Zebra), Oliver Kvitz (ex-Aliados), Cassio Amper (General Tequila), Luccas Trevisani (Balara), Yuri Costa (Surr), Carla Mariani, Anderson (Mar Morto) e Caio Del Lucchesi (Erodelia). Produtores: João Rock, Estefan Ferreira, Gabriel Panza, Claudio Z3ro, Celso Bernardes, Fernando Bassetto, Jota Amaral e Milton Medusa.

Comentários

Comentários