State Faults volta com novo álbum: Clairvoyant

Após 6 anos de hiato, a banda californiana de screamo e post hardcore State Faults lança seu terceiro álbum. Intitulado de Clairvoyant, o álbum possui uma sonoridade ainda mais pesada sombria que os anteriores. Este foi lançado dia 21 de junho e conta com 11 faixas ao todo.

O álbum do State Faults

Em comparação com os álbuns anteriores, podemos perceber um certo amadurecimento como um todo. Ao abraçar uma sonoridade mais “suja” e “pegajosa”, State Faults consegue trazer ao público um som que é ao mesmo tempo aterrorizante e eletrizante. Isto se deve a somatória de alguns fatores, como os vocais berrados e estridentes, linhas de baixo marcantes e uma precursão impecável.

A primeira faixa, Dreamcatcher, PT II, possui quase 7 minutos de duração é uma apresentação decente. Apesar de ter muita “porradaria” envolvida e grandes momentos, a mesma possui mais de 2 minutos de calmaria. Calmaria essa que não irá se repetir durante o decorrer do álbum.

Prosseguindo com o álbum, na terceira faixa nos deparamos com Moon Sign Gemini. Mesmo sendo uma música curta, de apenas 55 segundos, a sua energia e agressividade são entorpecentes. Esta é certamente uma daquelas músicas que, ao ouvir pela primeira vez, ficamos boquiabertos. Ainda sem entender nada e anestesiado, é necessário ouvir esta faixa mais de uma vez para compreendermos sua grandeza.

Outra faixa de suma importância para o álbum é Sleeplessness. A faixa começa de maneira agoniante, já com toda sua energia. Ela então
transaciona com o decorrer do tempo em uma faixa mais calma. O melhor dessa música é o encaixe perfeito com a faixa a seguir. Clairvoyant. Inclusive, esta é uma característica que se repete durante a transição da penúltima para a última faixa.

Momentos finais e Conclusão

Cemetery Lights encerra o álbum de maneira digna. A fim de reunir tudo que esteve presente durante o álbum, a banda acabou criando uma faixa sensacional. A princípio, a música não é tão pesada quanto o de costume, porém com o passar do tempo ela vai se intensificando cada vez mais. Apesar desta característica, ela tem um desfecho bem calmo e melódico, retratando um pouco a calmaria citada na primeira faixa.

Clairvoyant é um álbum pesado. Muito pesado. Pesado mesmo. Mesmo assim ainda traz esses aspectos de calma. Algumas emoções se confundem com o decorrer do álbum, mas esta tudo bem. De certo que essa montanha russa emocional foi proposital. Feita para confundir a mente do ouvinte com um turbilhão de ideias, sendo que este mesmo turbilhão se passava na cabeça dos músicos. Toda essas emoções transmitas através da música resultaram em Clairvoyant.

Comentários

Comentários