Do Pesta ao Whitesnake, do The Maine à Stevie Nicks

WLAD CRUZ

Faith Bathed in Blood
Pesta

Lançado somente digitalmente, este é o segundo álbum da banda mineira Pesta, conjunto que carrega seu som pelos caminhos do stoner/doom metal. Cantando em inglês, as oito faixas do novo álbum – algumas com até a oito minutos de duração – nos remetem aos pais da matéria, o Black Sabbath, e a alunos prodígio, como o Pentagram. Merece receber versão física.

Slide It In: The Ultimate Special Edition
Whitesnake

Edição comemorativa de 35 anos de um dos maiores clássicos do Whitesnake. O pacote completo é composto por 6 CD/DVD, contendo mixagem inglesa e americana do álbum, remix 2019, além de dezenas de faixas ao vivo, sobras de estúdio, demos, versões alternativas e tudo que foi possível encontras no baú, de clássicos como Guilty Of Love, Slow An’Easy e Love Ain’t No Stranger. Épico.

Warheads On Foreheads
Megadeth

Comemorando seu 35º aniversário, o Megadeth lançou esta coletânea tripla contendo 35 faixas, compilando faixas desde sua estreia com Killing Is My Business… And Business Is Good até o último registo de inéditas, Dystopia. Seguramente a coletânea mais completa da banda de Dave Mustaine, contendo as versões remasterizadas e hits extras, como Angry Again. Essencial.

You Are Ok
The Maine

Visitantes constantes de terras brasileiras, o The Maine chega a seu sétimo disco com uma sonoridade cada vez pop. Temas dançantes colocam o grupo americano em um estilo que passeia entre o indie pop e o pop punk que os fizeram famosos. A surpresa do álbum fica para a épica Flowers On The Grave, faixa de nove minutos que encerra o CD e prepara a banda para mais uma tour por estes lados.

Hostile Defiance
Exumer

O Exumer ficou popular no Brasil após sua tour por aqui em 1988. Desde então o grupo encerrou atividades, trocou de formação, reformou-se e lançou mais dois discos. Este novo álbum apresenta o quarteto em ótima forma, tocando thrash metal rápido e agressivo, seguindo os moldes da velha escola alemã do estilo, mas com timbres e produção contemporâneas. Para novos e velhos fãs.

Stand Back
Stevie Nicks

A eterna vocalista do Fleetwood Mac construiu uma bem sucedida carreira solo a partir do começo dos anos 1980. Essa jornada está retratada nesta coletânea que em versão digital chega a ter 40 faixas, entre elas clássicos remasterizados, faixas ao vivo e parcerias, com gente como Tom Petty e Don Henley. No mercado físico a compilação sai em CD simples (18 faixas), CD triplo (50 faixas), e box com 6 LP’s.

Strange Love
Simple Creatures

EP de estreia do supergrupo formado por Alex Gaskarth do All Time Low e Mark Hoppus do blink-182. Nas seis faixas do disco a sonoridade é pop, algo mais conectado com a molecada de hoje em dia do que o pop punk de suas bandas originais. Drug, Lucy e a faixa título cabem em qualquer pista de dança atual ou em qualquer playlist pop, mostrando a capacidade do duo de se reinventar quando quer.

Talk Is Cheap
Keith Richards

Lançado originalmente em 1988, no auge do stress na relação com Mick Jagger, o primeiro disco solo de Richards recebe versão remasterizada e com seis faixas bônus inéditas que contam com participação de Mick Taylor, Bootsy Collins e Johnnie Johnson. Na edição superdeluxe, além do disco em vinil e cd, acompanham um livro e dois singles, inclusive do hit Take It So Hard.

The Atlas Underground (Instrumentals)
Tom Morello

Ano passado o guitarrista do Prophets Of Rage (e RATM, e Audioslave), lançou o disco solo The Atlas Underground com participações especiais em todas as faixas, a maioria nos vocais. Agora o mesmo álbum é lançado mas somente com as versões instrumentais das músicas, colocando a guitarra e seus efeitos como protagonistas dos sons. O disco acompanha um encarte com as tablaturas das faixas para você tocar junto. O problema é que há mais beats eletrônicos do que riffs no álbum.

Three
Dan Vapid & The Cheats

Dan Vapid foi músico e compositor em pelo menos duas bandas essenciais para o punk rock americano dos anos 1990, Screeching Weasel e The Riverdales. Após seis anos ele retorna com o terceiro disco deste seu projeto, um trio poderoso de punk rock melódico. Three possui 10 faixas onde belas melodias dão o tom da coisa. Os Ramones ficariam orgulhosos de um aluno tão aplicado e talentoso.

No Control
Suzi Quatro

Muito antes de movimentos como o Riot Grrrl e todo essa discussão sobre empoderamento feminino, Suzi Quatro já empunhava seu baixo e fazia muito barulho por ai. 48 Crash de 1973 é talvez seu maior hit até hoje, mas Suzi não para de produzir, e apresenta 11 músicas novas, muitas feitas em parceria com seu filho Richard Tuckey. Hard rock, blues e belos arranjos honram os 68 anos da rocker.

The Dirt Soundtrack
Mötley Crüe

A trilha sonora do filme que conta a história da banda/gangue mais infame dos rock oitentista reune seus maiores sucessos e quatro faixas inéditas, entre elas o ótimo single The Dirt (Est. 1981) – com participação de Machine Gun Kelly (que inclusive faz o Tommy Lee no filme) e um cover descartável de Like A Virgin. Pra ouvir alto pelas ruas do centro se imaginando na Sunset Strip de 1986.

Comentários

Comentários