Mundo Extremo - Cláudio Azevedo

Resenha – Operation Misdirection – The Ultra-Violence

CLÁUDIO AZEVEDO

Os italianos do The Ultra-Violence formam mais uma das chamadas bandas de retro-thrash metal, fenômeno que já revelou ao mundo nomes como Municipal Waste, Bonded By Blood e Havok, para citar apenas três.

Armados com uma produção de ótimo nível, Andrea Vacchiotti (guitarra), Loris Castiglia (voz, guitarra), Andrea Lorenti (baixo), Francesco La Rosa (bateria) lançaram no final de 2018 o matador Operation Misdirection, terceiro álbum, que todo fã de thrash metal deve conferir.

Além da excepcional produção, outro fator que salta aos ouvidos de imediato é o apelo técnico do conjunto. A base de tudo é o thrash, sem dúvida, mas preste atenção nos fraseados disparados pelo baixista Lorenti ou nos solos e riffs inspiradíssimos que saem das cordas de Vacchiotti e Castiglia.

Overkill e o já citado Havok sem dúvida exercem influência no trabalho dos italianos, assim como Megadeth e Testament. Ou seja, é peso e técnica caminhando juntas, fazendo explodir a mente dos bangers ao som de pauladas como Welcome to The Freakshow, Nomophobia e da ótima Cadaver Decomposition Island, que servem de ar fresco numa época em que o próprio metal está tentando manter sua pureza e identidade.

O idioma natal dos caras é usado em algumas faixas, porém é um detalhe que certamente passará despercebido pela maioria dos ouvintes. Thrash-maniacs buscando por novidades em sua playlist veloz e suja? Aqui está.

Operation Misdirection
Ano de Lançamento: 2018
Gravadora: Candlelight Records

Faixas:
1-Cadaver Decomposition Island
2-Welcome to The Freakshow
3-My Fragmented Self
4-The Acrobat
5-Nomophobia
6-Money For Nothing
7-The Stain of My Soul Remains
8-Shining Perpetuity

Comentários

Comentários