Brasil Extremo - Cláudio Azevedo

Resenha – Quebrante – Facada

CLÁUDIO AZEVEDO

Embora a palavra “facada” esteja ligada a acontecimentos recentes da política brasileira, aqui ela tem outro significado. Claro que estamos falando do Facada, de Fortaleza (CE), um dos maiores nomes do grindcore brasileiro. E já são mais de 15 anos de carreira em que a banda destila seu estilo cru, rápido e grosseiro. Wilker D´Angelo (bateria), Ari Almeira (guitarra), James (baixo e voz) e Danyel (guitarra) fazem parte da banda hoje.

Para quem acompanha o Facada, parecia impossível que o grupo um dia iria conseguir superar Nadir (2013), que trazia uma brutalidade poucas vezes vista por aí. Ledo engano, em Quebrante, seu mais recente lançamento, a banda ressurge ainda mais feroz. Eles tocam grindcore raíz, ou seja, NÃO espere por vocais limpos, violinos e sopranos de fundo, breakdowns ou qualquer coisa que o valha.

De fato, o grupo permanece totalmente fiél às suas raízes. Faixas como Nós Somos o Veneno, Apenas Mais Um Igual a Mim, A Farsa: Nojo e A Maldição da Rede parecem ter sido escritas com o único propósito de destruir tímpanos alheios, tamanha carga de velocidade e raiva.

E, pelos títulos das músicas, nota-se que o quarteto continua com sua visão realista do mundo, sem sentimentos ou paranóias. Napalm Death (fase Scum), Terrorizer, Repulsion, Lock Up e Brujeria estão entre as influências mais notáveis dos caras. Fâs dessas bandas e que ainda não conheciam o Facada, eis a oportunidade. Massacre!

Quebrante
Ano de Lançamento: 2018
Gravadora: Black Hole Productions

Faixas:
1-Deixa o Caos Entrar
2-Nós Somos o Veneno
3-Apenas Mais Um Igual a Mim
4-O Pior de Todos
5-A Farsa: Nojo
6-Tudo Me Faltará
7-Vogelfrei
8-Quebrante
9-A Maldição da Rede
10-Estão Esperando Seu Erro
11-Sumir
12-Tiro no Caixão
13-A Vitória da Diva
14-Há Honra?
15-Eu Sei Como é Morrer
16-Putrescina
17-A Verdade Gera o ódio
18-Pervitin
19-Blasfema eu
20-Feliz Ano Novo
21-A Vida é uma Armadilha
22-Ele Não Voltará
23-Miss Distopia

Comentários

Comentários